domingo, 14 de janeiro de 2018

TESTEMUNHOS E MEMÓRIAS SOBRE O PORTO - XXIII

9.23 - Alberto Pimentel (1849/1925) - grande escritor do Porto - IV, O Porto Por Fora e Por Dentro, Natal de 1878, Presépios, Canções de Natal e de Janeiras


Deste livro retirámos alguns excertos com interesse sobre o Natal em 1878











quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

TESTEMUNHOS E MEMÓRIAS SOBRE O PORTO - XXII


9.22 - Alberto Pimentel (1849/1925) - grande escritor do Porto - III, Assembleia Portuense fundada em 1834, Clube Portuense após 1857, Camilo faz referências picantes ao "Palheiro", Luta do chá na Assembleia Portuense, Instituiçã
o do Clube Portuense e  construção da sua nova Sede.


Assembleia Portuense e Clube Portuense


Sobre a Assembleia Portuense e o Clube Portuense ver lançamento de 1/9/2013, “Serões e festas de família e de clubes”


Sede do Clube Portuense a partir de 1857, onde estava a Assembleia Portuense desde 1834 até à cisão dos sócios. Esta casa pertencia à família Ferreirinha.




Alberto Pimentel – O Tripeiro Volume 1



Assembleia Portuense, Clube Portuense em 1859 – Praça da Trindade

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

TESTEMUNHOS E MEMÓRIAS SOBRE O PORTO- XXI

9.21 - Alberto Pimentel (1849/1925) - grande escritor do Porto - II, Fonte da Arca ou da Natividade, Frontispício monumental da Fonte da Arca, Imagem de Nª. Sª. da Natividade, Distribuição do correio ao domicílio, Nomes actualizados das ruas do Porto.


A Fonte da Arca ou da Natividade na Praça Nova


A. R. C.


Escreve Alberto Pimentel:



Frontispício da Fonte da Natividade com as armas da cidade que esteve na C.M.P. até 1915 e actualmente se encontra no Palácio de Cristal. Quando D. Pedro IV entrou no Porto, em 1932, mandou destruir a fonte para dar mais espaço à Praça Nova.




Carrancas que estiveram na Fonte da Natividade, depois na Praça de Santa Teresa e, actualmente, nos jardins do Palácio de Cristal.


Imagem de Nossa Senhora da Natividade - Pedrouços



Correio Mor concedido por D. Manuel a Luis Homem em 1520


Antiga Rua do Correio – esta rua foi inicialmente Rua de Santo António, depois, porque vivia lá o Correio Mor, Rua do Correio e hoje Rua do Conde de Vizela.


Entrega do correio ao domicílio


Alberto Pimentel em O Tripeiro – volume 6


Calçada da Natividade, mais tarde Rua dos Clérigos

Curiosidade:

EDITAL 
Jozé Freyre de Serpa Pimentel de Mansilha e Silva Donnas Botto de Mesquita Sequeira e Vasconcellos, 2.º visconde de Gouveia, par e grande do reino, moço fidalgo com exercicio no paço, socio do real conservatorio de Lisboa, e do instituto de Coimbra, juiz no quadro da magistratura judicial, e governador civil do districto do Porto. 
Convindo ao bom regimen policial, economico, e administrativo, e ao interesse particular dos cidadãos, que as ruas, praças, largos, e mais logares publicos desta cidade, Villa Nova de Gaia, e seus suburbios, sejão conhecidos por denominações claras, simples, e distinctas; e que a numeração dos predios siga uma ordem regular e methodica; considerando que as inscripções de muitas ruas e logares publicos se acham apagadas ou deterioradas pelo tempo, e não são em numero sufficiente carecendo-se portante d'uma renovação geral, - sendo esta a melhor occazião d'emendar os defeitos de muitas denominações, já por haver ruas que se prolongão mudando de nome, já porque outras tem denominações repetidas, vagas, ou confuzas; - attendendo a que differentes reprezentações me teem sido inderessadas, pedindo providencias sobre a numeração dos predios, em razão das muitas irregularidades, a que dão logar não só as multiplicadas edificações e reformas, mas também a má ordem da antiga numeração em partes interpolada, em partes apagada; - tendo colhido as convenientes informações dos respectivos administradores dos bairros, e concelhos, e da camara municipal; - ouvindo o conselho do districto, que conveio na oportunidade das medidas; - e visto o codigo administrativo, os artigos 224 e 227; e as portarias de 27 de setembro de 1843, e 9 de julho de 1859, determino o seguinte:  (…) 
O lado direito de uma rua, travessa, ou viella (tanto aquém, como além Douro) será determinado nas que correrem perpendicular, ou obliquamento ao rio, pela direita do viandante, que marchar afastando-se do mesmo rio; - e nas que forem paralelas, pela direita do que marchar no sentido da corrente. 
Mappa das ruas, largos, travessas e viellas, que prolongando-se com diversas denominações, ficão agora reduzidas a uma só:
Rua d'Almada, rua das Hortas - ficão ambas sob a denominação de - Rua d'Almada.
Rua de Santa Catharina, rua Bella da Princeza - Rua de Santa Catharina.
Rua de Cedofeita, rua da Cruz, rua 9 de Julho, até á Barreira - Rua de Cedofeita.
Rua da Torrinha, rua do Priorado - Rua da Torrinha.
Rua da Boa Vista, rua 25 de Julho - Rua da Boavista.
Rua da Porta de Carros, rua do Bomjardim, rua do Bairro Alto, rua da Aguardente - Rua do Bomjardim.
Rua do Laranjal, rua dos Tres Reis Magos - Rua do Laranjal.
Rua de D. Pedro, rua dos Tres Reis Magos - Rua de D. Pedro.
Rua da Alegria, rua do Caramujo, rua 24 de Agosto - Rua de Alegria.
Rua do Campo Alegre, rua de Santo Amaro - Rua do Campo Alegre.
Praça de Carlos Alberto, rua dos Ferradores - Praça de Carlos Alberto.
Rua de S. Nicolau, largo da Ourivesaria - Rua de S. Nicolau.
Rua dos Caldeireiros, rua da Ferraria de Cima - Rua dos Caldeireiros.
Rua de Costa Cabral, rua 25 de março - Rua de Costa Cabral.
Praça de D. Pedro, Porta de Carros - Praça de D. Pedro.
Rua dos Loyos, largo dos Loyos - Largos dos Loyos.
Rua 27 de Janeiro, rua 15 de Setembro - Rua da Constituição.
Praça da Batalha, largo de Santo Ildefonso - Praça da Batalha.
Largo de S. Bento das Freiras, rua do Loureiro - Rua do Loureiro.
Rua de S. Lazaro, rua 29 de Setembro, rua do Padrão de Campanhã - Rua de S. Lazaro.
Rua Direita, rua dos Ferradores, largo de S. Roque, Senhor do Loureiro, e Palhacinhas (Villa Nova) - Rua Direita.
Sitio dos Guindais, Sitio da Praia (Villa Nova) - Rua da Praia.
Rua dos Marinheiros, rua de Baixo (Villa Nova) - Rua dos Marinheiros. 
MAPPA N. 2 
Mappa das ruas, largos, travessas e viellas, cujas denominações ficão alteradas para se distinguirem d'outras que as tinhão identicas.
Rua do Calvario (Massarelos) - fica sendo Rua do Golgota.
Rua das Flores (Massarellos) - Rua de Flora.
Rua de Cima de Villa (Foz) - Rua do Alto da Villa.
Rua Formoza (Foz) Rua Bella.
Rua da Boa Vista (Foz) - Rua da Bella Vista.
Rua da Conceição " - Rua da Mães de Deus.
Rua da Alegria " - Rua dos Prazeres.
Travessa da Alegria " - Travessa dos Prazeres.
Rua de S. Bento " - Rua Benedictina.
Rua de S. João " - Rua de S. João da Foz.
Rua da Trindade " - Rua Trinitaria.
Rua do Laranjal " - Rua das Laranjeiras.
Rua Direita " - Rua Central.
Rua do Pinheiro (Villa Nova) - Rua do Pinhal. 
MAPPA N. 3 
Mappa das ruas, largos, travessas e viellas, cujas denominações para mais simplificação e facilidade ficão alteradas
Rua 16 de Maio - fica sendo - Rua de Santo Ovidio.
Rua 9 de Julho (de Barreiras para fora) - Rua da Liberdade.
Rua 23 de Julho, ou Direita - Rua de Santo Ildefonso.
Rua Nova de S. João - Rua de S. João.
Rua Nova dos Inglezes - Rua dos Inglezes.
Campo Grande - Campo do Poço das Patas.
Calçada do Mirante - Rua do Mirante.
Calçada dos Clerigos - Rua dos Clerigos.
Travessa da Praça de D. Pedro - Travessa de D. Pedro.
Beco do Arrabalde - Viella do Arrabalde.
Travessa da Rua Bella da Princeza - Travessa de Santa Catharina.
Beco de S. Macario - Viella de S. Macario.
Beco do Poço - Veila do Poço.
Calçada dos Carrancas - Rua dos Carrancas.
Calçada do Corpo da Guarda - Rua do Corpo da Guarda.
Beco das Panellas - Viella das Panellas.
Beco de S. Salvador - Viella de S. Salvador.
Beco de Cadavais - Viella de Cadavais.
Beco do Peixe Gallo - Viella do Peixe Gallo.
Beco de S. Dionizio - Viella de S. Dionizio.
Beco do Monte Bello - Viella do Monte Bello.
Rua da Ferraria de Baixo - Rua da Ferraria.
E para que todo o referido conste, e se execute, mandei passar o prezente edital que será affixado em todos os logares publicos de Cidade. 
Porto 20 d'Abril de 1860. - O governador civil, Visconde de Gouvêa.

Este edital foi publicado no dia 1/1/2018 no Blogue A Porta Nobre de Nuno Cruz

domingo, 31 de dezembro de 2017

TESTEMUNHOS E MEMÓRIAS SOBRE O PORTO - XX

9.20 - Alberto Pimentel (1849/1925) - grande escritor do Porto - I, O Porto burguês com poucos nobres, Bispo D, Jerónimo Rebelo, O "Brasileiro de torna viagem" e o seu luxo,  O "novo" Porto animado pelo muito dinheiro.


Gravura de J. G. Martini – Ribeira em 1835 - Note-se a riqueza e o movimento desta gravura


Alberto Pimentel nasceu no Porto a 14 de Abril de 1849. 
Autor portuense da segunda metade do século XIX, possui uma extensa e extremamente diversificada produção escrita. Um verdadeiro homem multiversátil: foi romancista, poeta, dramaturgo, biógrafo, tradutor, político, folhetinista e estudioso da história e das tradições portuguesa. 
Contudo, é um autor actualmente envolto em esquecimento. As circunstâncias da época e posteriores a ela não contribuíram à sua canonização como representante da literária em seu tempo. Alguns de seus contemporâneos tiveram este privilégio, em especial Camilo Castelo Branco - grande amigo e ídolo de Alberto Pimentel, que inclusive é um dos seus maiores biógrafos. Quanto a isto, há de se destacar a obra "Romance do romancista: vida de Camillo Castello Branco" (1890)
Morreu em Queluz no dia 19 de Julho de 1925.



Viajar pelas ruas do Porto, através de comentários, narrativas e observações apresentadas por Alberto Pimentel no seu livro O Porto há 30 anos, publicado originalmente em 1893, é perspectivar uma cidade em que o Autor nos apresenta o panorama de felicidade colectiva.
Nenhum portuense deve ser privado da leitura deste livro; pena é que só quase 120 anos depois da sua primeira edição veja novamente a luz do dia. Este Porto, que Alberto Pimentel traçou de forma variada, é a cidade em que ele profundamente se embrenhara na sua juventude. Por isso, esta obra constitui umas verdadeiras memórias.
É toda uma sociedade, entre a dimensão culta e a mundana, que sai descrita pela pena deliciosamente expressiva de Alberto Pimentel, com relatos de personagens, costumes e atitudes, reveladores de um Porto que tinha muito que contar.
Escreveu muito sobre a sua cidade da qual guardou memórias desde a infância. Foi dos mais importantes escritores do Porto.


Do livro O Porto há 30 ano, escrito em 1892, destacamos os textos abaixo:


Palácio da Bandeirinha


Armas dos Portecarrero – blogue Ruas da minha Terra



Foto Portojo



D. Jerónimo José da Costa Rebelo



Landau – séc. XIX – Blogue Do Porto e Não Só


Coupé Séc. XIX - blogue Do Porto e não Só


Dog-cart



Palácio de Cristal - na Avenida das Tílias

“Foi por essa época, pouco mais ou


Maravilhoso pôr do Sol em Leça da Palmeira hoje mesmo - foto Manuel Paquete