segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

FOZ DO DOURO - I

6.1.33 -Foz do Douro, Praias do Ourigo e dos Ingleses, Casino Internacional da Foz, Fatos de banho dos anos 30 e 40


Praia do Caneiro - gravura publicada no livro "As Praias de Portugal, Guia do Banhista e do Viajante", editado em 1876. Seria numa destas casas que funcionava a Assembleia, a que se referiu Alberto Pimentel? Na primeira à direita, pode ler-se na placa: BANHOS QUENTES.



Praia do Ourigo

No livro "O Porto Há 30 Anos", editado em 1893, o seu autor Alberto Pimentel escreveu, sobre os banhistas que vinham à Foz do Douro, que eram compostos por duas camadas. Os ricos e ilustres (especialmente belas Julietas tripeiras esperadas pelos Romeus) e os rabelos e os pobres. Os primeiros tomavam banho na praia do "Caneiro grande". Na do "Caneiro pequeno", os segundos.
A propósito de entretimentos na Foz, trinta anos antes, referiu: " Dava sobre a praia dos banhos o terraço da Assembleia, cuja principal entrada abria para a rua dos Banhos Quentes. Foi n´essa Assembleia que nasceu a primeira rolêta da Foz. Ha mais de vinte annos, a rolêta era uma innovação recente, que produzia sensação. Alguns pais de familia, que nunca jámais jogaram, iam vêr a rolêta, por simples curiosidade, como se póde ir vêr um monstro, uma fera. Os viciosos tomaram-lhe gosto, e, dentro de pouco tempo, a rolêta popularisou-se, a ponto de começarem a funccionar, além da rolêta aristocratica da Assembleia, varias rolêtas pataqueiras e pelintras. Os puritanos, os caturras da jogatina repelliram a rolêta, e continuaram a frequentar a batota do high-life no Passeio Alegre; os encanzinados no vicio do jogo, ultra-viciosos, frequentavam a rolêta e a batota, - accumulavam."


A pequena casa à esquerda era o casino “high-life no Passeio Alegre” a que se refere o Alberto Pimentel. 
“Este casino vem referido no ACP 1920 (Anuário Comercial de Portugal) como Casino Internacional - Empresa do Casino Internacional da Foz Limitada na Rua do Passeio Alegre 202. Este casino foi devorado por um incêndio em 12 de Julho de 1911". J. Salgado. 
Pertenceu, desde 1931 a 1950, ao Colégio Brotero. No r/c estava a sala de estudo e nos andares de cima as salas dos “grandes”, 3º. ao 7.º ano do Liceu. Foto de antes de 1910. Adiante vê-se a Rua das Motas onde esteve a Pensão Mary Castro vinda da Rua de Sampaio Bruno (ainda Rua de Sá da Bandeira) por cima da Casa Bancária Borges & Irmão. Era a mais luxuosa da Foz e era frequentada por Eça de Queirós e Ramalho Ortigão nas suas épocas de praia.


Fichas do Casino Internacional da Foz do Douro - site Numismatas


Frente urbana da Praia do Ourigo


Praia do Ourigo - 1900

Em O Tripeiro, Série VI, Ano X, a D. Albertina Marinho dos Santos, descreve memórias dos primeiros anos do passado século: “ Naquele tempo as pessoas antes de iniciar a época balnear, iam, primeiro ao médico para se certificar do seu estado de saúde, isto é, se estavam em condições de poder tomar banhos de mar. Os médicos eram todos unânimes em receitar, antes de mais, um laxativo, que geralmente era óleo de rícino, um dia de cama com grande dieta e, obrigava a estar 8 dias em casa para não apanhar ar nem sol. Era assim que procediam os médicos tais como o Dr. Caldas, Dr. Forbes Costa, Dr. Maia Mendes, etc… Passados 15 dias já se podia, então, ir tomar banhos de mar. Para tomar o banho, as senhoras vestiam os seus fatos de banho, compostos de calças até aos tornozelos e um vestido até abaixo do joelho e meia manga. Os homens com calças até ao joelho e umas blusas. Os fatos de banho, tanto das senhoras como dos homens, eram pretos e guarnecidos de fitas brancas.”.


Praia do Ourigo – Claudino Banheiro – era o dono dos banhos quentes da Foz. - em primeiro plano os “Robertos”.
Quando adolescentes divertíamo-nos muito com estes "dramas". Vozes aflautadas e muita “porrada”!!! Os protagonistas habituais eram o barbeiro, o cliente, o polícia, o toureiro... – foto do blog Onde fica isto?


Acerca deste tipo de espectáculo já em 1909 havia um “explorador” que, em frente ao Hospital de Santo António exibia uns bonecos “miseravelmente vestidos, como o seu dono, aos quais os seus admiradores dão o nome de fantoches. Desenvolvem cenas de disparatado contexto nas quais sobressai a bordoada com moca de mais avantajada altura que o seu manejador, tudo acompanhado dum palavreado tosco e baixo” Este portuense não os apreciava e criticava a polícia por não agir pois o aglomerado de público impedia o trânsito de funcionar. Era uma excelente ocasião para os "prestidigitadores" escamotearem os bolsos dos distraídos.
Mas a verdade é que a criançada vibrava com grande alegria e espontâneas gargalhadas aos “dramas” a que assistia.


Praia do Ourigo - 1910 - parecem pescadores de águas baixas.


Praia do Ourigo – 1927


Crianças do Internato Municipal na praia do Ourigo, em 1946


Praia do Ourigo – roupa a corar – 1950


Praia do Ourigo – foto Pablo Gomes – 2014


Praia da Senhora da Luz – a corda deveria limitar a zona de banhos e servia para apoio aos banhistas – ao longe vê-se uma chaminé que será da Fábrica de Tecidos de Lavadores (?).


Praia dos Ingleses - 1890


Praia dos Ingleses – á direita a casa dos banhos quentes


Igreja da Foz e farol da Senhora da Luz



Praia dos ingleses e início das casas de Carreiros


Rua da Praia - 1960




Fatos de banho - anos 30 e 40


Para conhecer em muito mais pormenor a Foz do Douro poderão visitar os nossos lançamentos dos dias: 11/10, 14/10, 18/10, 21/10, 26/10, 29/10, 3/11, 8/11, e 12/11 de 2013.


Bacalhoeiro Foz do Douro regressando da Terra Nova – Anos da II guerra – está assinalado com PORTUGAL para não ser atacado, dado sermos um país neutro. 

Praias da Foz – vídeo 2010

3 comentários:

  1. Olá
    Fiquei com frio ao ver estas gravuras....eheheheh
    Obrigado por mais este «pedaço» de Hist´ria.
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  2. Tenho alguma discordancia relativamente ao que aqui é escrito sobre o antigo Casino da Foz do Douro, particularmente no tocante ao edifício onde este terá funcionado. Eu conheci e vi durante anos a soleira da porta onde estavam gravadas as palavras "Casino da Foz do Douro". não sei se essa soleira foi destruída ou se alguém está de posse dela porque, aquando das obras verificadas no edifício , nos anos 80 para a instalação de uma discoteca, essa soleira foi removida. Tenho alguma explicação sobre este assunto no meu blogue "coisas que se escrevem". Vi que algumas das imagens utilizadas nestas notas foram colhidas da minha página do facebook "A Nossa Foz do Douro". Ainda bem que não eliminaram a marca de água que as identifica. Porque infelizmente há quem corte as imagens para esconder as marcas ou, quem é mais experiente, as apague. Emboa ache que o mais correcto será referir a fonte onde sao colhidas. Agostinho Barbosa Pereira

    ResponderEliminar
  3. Referente à sua discordância tem todo o direito de a ter. Mas não refere onde estava a referida soleira.
    Suponho, sempre o ouvi dizer, que o casino funcionou em dois locais diferentes. Um deles foi nessa pequena casa, que, ficava afundada em relação à rua e onde eu, no princípio dos anos 40, frequentei, pois era um dos prédios do Colégio Brotero. Nessa ocasião ouvi de vários vizinhos e conhecidos que o andar inferior, onde estava a sala de estudo do colégio, tinha sido a sala de jogo principal. Se havia outro local com uma soleira, gostaria de saber o local, pois o desconheço.
    Quanto à fotografia com referência ao seu facebook achei desnecessário referi-lo,pois está bem claro.
    Tenho como princípio referir, sempre que sei, a origem das fotografias. Esta colhi-a no google e não directamente do facebook. Aliás, se ler habitualmente o meu blogue, constatará isto mesmo.
    Rui Cunha

    ResponderEliminar