quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

COLÉGIOS E RECOLHIMENTOS - III

4.1 – Colégio dos Meninos Órfãos - III


Antigo Seminário de Santo António e a Ponte Maria Pia antes das obras para Colégio dos Órfãos

As obras do Seminário de Santo António começaram em 1804 por ordem do Bispo D. António de S. José e Castro. Dada a sua grandiosidade a construção prolongou-se por vários anos. Entretanto aconteceram as Invasões Francesas e aquele bispo é transferido para o Patriarcado de Lisboa. Foi o Bispo D. João de Magalhães Avelar quem o terminou.
O primeiro ano lectivo foi o de 1811/12. Supõe-se que funcionou até ao ano de 1831/32. 
Neste ano entrou no Porto o exército liberal e o bispo fugiu para Lamego. 
As defesas da cidade durante o cerco levaram a que na zona da Quinta da China e do seminário fossem instaladas baterias. Durante esta guerra civil o seminário foi atacado e ardeu, tendo ficado abandonado até à ocupação do Colégio dos Órfãos, em 1903. 
“…em 1899, durante as sessões da Câmara do Porto, foi sugerida a deslocação do Colégio para o edifício arruinado do antigo Seminário do Porto, fundado em 1803 e abandonado dois anos depois. A planta da nova obra foi apresentada a 30 de Novembro de 1899 e o projecto aprovado a 13 de Setembro de 1900. Apesar de algumas vozes discordantes, as obras tomaram o seu curso normal e no dia 17 de Setembro de 1903 os órfãos já estavam instalados na nova casa, no Monte do Prado. A igreja foi benzida a 31 de Agosto de 1906 e inaugurada a 28 de Outubro do mesmo ano com uma festa dedicada a Nossa Senhora da Graça.”
A obra total, incluindo mobiliário, ficou por 64.583$676reis e estava paga, com a indemnização recebida do estado,  esmolas e receitas, em 1906.


O Tripeiro - Volume 3


1908

A estrutura do colégio era a seguinte:



Em 1913 tinha 80 internos. Será importante referir que, além das aulas, o colégio tinha oficinas de diversas profissões tais como marcenaria, serralharia, alfaiate, sapateiro e outras. 
Referimos que o artigo do Volume 3 de O Tripeiro foi escrito por João G. Oliveira e Torres.




Colónia de Férias do Colégio dos Órfãos – Madalena 1946



Em 1951, a direcção do Colégio foi entregue aos Salesianos, que ainda mantêm, até aos dias de hoje, a administração do mesmo. O edifício foi património da Câmara até ao ano de 2010, altura em que a Congregação Salesiana o adquiriu. O colégio consiste num extenso edifício com a igreja colegial anexa.

Colégio dos Órfãos do Porto 


Busto do Padre Baltazar Guedes de autoria de José Fernandes de Sousa Caldas – 1951

Tal como se lê na parte final do texto de ARC, também não podemos terminar este capítulo sem deixar expressa a nossa admiração e tristeza por o Porto, e a sua Igreja, não ter dado a este extraordinário conterrâneo o valor e consideração que ele merece. Poucos, mesmo muito poucos, deram à nossa cidade tão importante contributo para o desenvolvimento intelectual e humano dos portuenses, em especial os mais carenciados de família, carinho e Amor. Foi a estes que entregou toda a sua vida, a ponto de recusar honras, luxos e até lugares de grande prestígio. 
Baltazar Guedes, que deveria ser uma personalidade conhecida e respeitada no Porto, é desconhecido pela grande maioria dos portuenses. 
Não compreendemos tão grande esquecimento e injustiça!

3 comentários:

  1. Por acaso sabem quem é o autor do busto da Sophia que se encontra nos jardins da Casa do Campo Alegre ) Jardim Botânico ) ?

    ResponderEliminar
  2. Olá
    Quando por lá passar vou estar atento ao edifício.
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  3. Publicamos em 8/6/2013, em QUINTAS DO PORTO IX, uma descrição da Quinta do Campo Alegre na qual incluímos o busto de Sofia. Porém não conseguimos encontrar o autor do mesmo.
    Cumprimentos
    Maria José e Rui

    ResponderEliminar