domingo, 22 de novembro de 2015

RIO DOURO - XXVIII

6.1.28 - Rio Douro, Estrada Marginal, Torre da Marca, Ponte da Arrábida


Estrada marginal - Desenho de Llonch - 1887


Só chegou 120 anos depois…



Marginal de Massarelos à Foz do Douro - 12/9/1895

No texto acima ARC “sonha” com um contínuo “cais” que, “em breve tempo”, irá até S. João da Foz! Só há poucos anos este “sonho” se realizou. Por muito espantoso que pareça, João de Almada e Melo planeou, em 1784, a construção de um cais entre a Ribeira e a Foz do Douro. Pelas gravuras se vê o estado lamacento e esburacado em que se encontravam por onde, mesmo o carroção, que levava os veraneantes encurralados e, como Camilo dizia, “crucificados nas suas próprias cruzes”, tinha dificuldade em passar.


Segundo Camilo o carroção já existia no séc. XVII. Porém, foi após as invasões francesas que, por falta de cavalos, aumentou muito o seu uso puxado por bois. A este incómodo meio de transporte dedicaremos um largo espaço com pormenores muito interessantes. 


A Torre da Marca existiu no terreno do Palácio de Cristal, perto de onde está a Capela de Carlos Alberto. Construída em 1542, servia de marca para os navios que entravam no Douro. Bombardeada em 1832 pelos Miguelistas que se encontravam em Gaia, não mais foi reconstruída. Voltaremos a este assunto com mais pormenores em local próprio. Gravura de Manuel Marques de Aguilar.



Rio Douro visto do Palácio de Cristal – foto de Armando Tavares

Rio Douro e a Cidade


Villa Nova vista do Rio Douro


"A Sua Majestade D. Pedro, Imperador do Brasil, Rei de Portugal".
Perspectiva das margens do Rio Douro subindo para a cidade do Porto.


Gravura inglesa, supomos de Coronel Betty, tirada do Monte da Arrábida – 1829 – ainda se vê a Torre da Marca, pois só foi destruída no cerco do Porto em 1832.


Gravura do Barão de Forrester – Publicada em Agosto de 1835 – esta gravura foi feita em 1832 ou antes, pois ainda se vê a Torre da Marca. O local é muito próximo da gravura acima. O Barão de Forrester chegou ao Porto em 1831.


Gravura de J. Holland  - 1838  


"SAM PAIO - CASA DO SNR. ANTHERO"
Os padres da Serra tinham uma brévia ou casa de campo em Sam Paio, nas margens do Douro, junto á Afurada, na freguesia de S. André de Canidelo. Depois casa do Sr. Anthero e hoje supomos um jardim infantil.


Projecto da Ponte da Arrábida não aprovado – Eng. Edgar Cardoso e Arq. Inácio Peres Fernandes - 1960 .


Projecto não aprovado para a Ponte da Arrábida – Arq. Inácio Pires Fernandes


Ponte da Arrábida em construção, durante a cheia de 1962. Sobre a construção e história desta ponte já publicamos em pormenor no nosso lançamento de 6/4/2013.


Acta da reunião entre o Governo Civil do Porto e a comissão de execução das cerimónias de inauguração da ponte da Arrábida - 1963.



Foto de Ricardo Soares


Foto de Jacinto Silva Luis


Foto de Fernando Madureira


Nascer do Sol visto da Ponte da Arrábida – foto Manuel Varzim


Foto de Paulo Andrade - 2015


Foto de Vaselin Malinov


Foto de Nuno Pimenta


Foto de Joaquim Oliveira


Foto de Pedro Fonseca

Ponte da Arrábida – Joel Cleto 

4 comentários:

  1. Olá
    Mais um conjunto de histórias da Cidade acompanhado de belíssimas imagens.
    Cumprs.
    Augusto

    ResponderEliminar
  2. Bom dia,
    Muito obrigado pelo seu comentário.

    ResponderEliminar
  3. Acabo de ver as maravilhosas gravuras, as imagens fotográficas de muita qualidade e beleza e os documentos importantes que anexam com tanta pertinência, tudo acompanhado pelos textos de vossa autoria e que muito enriquecem este XXVIII capítulo sobre o Porto e o Rio Douro.
    As minhas sinceras felicitações e um grande obrigado.

    ResponderEliminar
  4. Nós é que lhe agradecemos o seu comentário. Tentaremos, tal como há mais de 3 anos para cá, continuar este trabalho sobre o Porto que tanto amamos.
    Um abraço
    Maria José e Rui Cunha

    ResponderEliminar