terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

O AUTOMÓVEL II

6.26.9.3 - O automóvel II - Automóvel a vapor (!), O balão Lusitano, Oficinas de construção de automóveis, Publicidade automóvel



In O Tripeiro, Série V, Ano IX

Recordámos o que apresentámos sobre esta tragédia, que muito impressionou o Porto, no nosso lançamento de 14/1/2014, quando tratámos de “febre” balonista da nossa cidade: 


Belchior o aeronauta




Ascensão na Serra do Pilar


 Os 3 desaparecidos

O sucesso, o entusiasmo e a moda da subida em balão apossou-se do Porto e alguns corajosos e extravagantes decidiram também entrar nessa “corrida”. Os lugares preferidos para as subidas eram o Palácio de Cristal, e as praças de touros da Serra do Pilar e da Rua da Alegria. Em 1903 o francês Emile Carton acedeu a levar consigo, no seu balão Mariposa, um entusiasta do balonismo, tendo-lhe dado noções de como dirigir o balão. Era o farmacêutico gaiense Belchior Fernandes da Fonseca. A “paixão” foi tal que convenceu o seu amigo a vender-lho, tendo tido a contribuição dos seus parceiros Cesar Marques dos Santos (o menino d’ouro) e engº. José António de Almeida. Deram-lhe o nome de “Lusitano”. Com a presença de multidões subiram 3 vezes, tendo terminado o voo em diferentes lugares. O Belchior, muito senhor de si, afirmava já ter conhecimentos suficientes para mais ascensões. Tendo sido prevenido por Franz Burmester do perigo de ser levado, por ventos em altitude, para o mar, não levou em consideração tais avisos, afirmando mesmo “considero estes ares como meus”. Marcou uma nova ascensão para 21 de Novembro de 1903 em que embarcaram os seus sócios. Tendo subido muito correctamente, dirigiu-se para Sul. Sobre Vila Nova de Gaia, repentinamente virou a oeste, desaparecendo sobre o Atlântico. Ainda foram enviados vários barcos em seu socorro, mas nunca mais os seus corpos foram encontrados. 
Esta tragédia foi, durante muito tempo, motivo de conversa e de notícias nos jornais do Porto. Havia quem comparasse os três desaparecidos a D. Sebastião, pois muitas vezes corria o boato que alguém os tinha visto ou sabia onde se encontravam. Os ceguinhos,á porta do mercado do Anjo, cantavam, em voz triste, as quadras do Fado do Belchior!


Da revista Auto Hoje, nº. 1255 de 4/12/2013



Da revista Auto Hoje, nº. 1255 de 4/12/2013


In Auto Hoje – nº. 1290



1910



Foto do blog Restos de Colecção

João Garrido teve estabelecimento de motociclos e triciclos a motor na Rua de Passos Manuel a partir de 1891. O seu técnico era Benedito Ferreirinha. Construíram um protótipo, com motor da francesa Aster, em 1899. Serviu como publicidade à sua garagem e teria outros clientes senão aparecessem marcas estrangeiras feitas em série. Uma delas, a que acima nos referimos, foi representada no Porto por este estabelecimento a partir de 1901. Em 1906 fundou a Auto-Palace na Avenida Rodrigues de Freitas. Representou no Porto várias outras marcas. 



1910


1928


1928



1928




1929


1930


Publicidade ao Fiat 521 – 1930 – o stand ficava na Rua de Santa Catarina


O primeiro carro fabricado em linha de montagem


Auto Agência do Bolhão – construção de carrocerias e estofador


Daimler construído na Auto-Agência do Bolhão


Recordámo-nos bem do Studebaker Champion de 1954 que fez grande sucesso porque era igual, de perfil, à frente e atrás.

4 comentários:

  1. Olá
    Grandes...e gulosas máquinas.
    Cumprs
    Augusto

    ResponderEliminar
  2. Boa tarde.

    Escrevo com a curiosidade por saber o que era a Casa Mattos&Serpa Pinto, da Rua Sá da Bandeira. Consegue ajudar-me?

    Obrigado

    ResponderEliminar
  3. No nosso lançamento de 30/12/2013 publicámos uma fotografia desta casa no Carnaval de 1905. Porém só se vê os 1º e 2º. andares. Supomos que esta casa vendia tecidos e outras mercadorias ligadas ao vestuário.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, eu vi a foto. Também desconfio que seria esse o negócio. Muito obrigado.

      Eliminar